Pular para o conteúdo principal

O Banco Marrom

O Banco Marrom

Minha "mãe" disse: não fale com estranhos
Hoje eu estranho até saber falar
Ela me disse pra eu não ler gibis
Mas ainda sei o que é poder sonhar
Já sonhei em ir a parís
Hoje estou perto de me encantar
Com toda a beleza dessa natureza
Com todo o amor que pensei em encontrar
Com os jardins que estão aqui e alí
Com o banco marrom de frente pro mar
Com a aquarela que da vida traz vida
Com aquele vermelho que me faz delirar
E sabendo usar as palavras
Talvez eu dissesse um pouco de mim
Sentado em um banco marrom
Livre para poder partir
Para cidades faladas em livros
Para um jardim bem perto do mar
Com ávores e frutos diversos
Com flores e rosas sem espinhos
E quem sabe não irá demorar
Quem sabe isso já até aconteceu
Quem sabe não foi apenas um sonho
 E que bom que esse sonho foi "seu"

John Ny./João

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encontro entre Gêneros

Encontro entre Gêneros Era uma vez: o Romantismo, ainda jovem, aliado ao Drama e às paixões da Aventura Revolucionária ( um excesso de entusiasmo) ainda bem antes daquele emblemático dia 14, convencia a Ação de que o Medo, ainda em sua fase de formação, participaria de tal distinto encontro, entretendo todos os mais dispostos e favoráveis às causas dos desbravadores oprimidos. É bem verdade que na incompleta capacidade de se expressar, somada à sua tímida experiência com assuntos do gênero, doses da Simpatia e do Afeto também seriam avistados passeando livremente pelo amplo e iluminado salão do baile ao som da grandiosa ópera moderna. Antigos elementos como o Lirismo Amoroso e Trovadoresco, também a princípio com uma pitada de requinte e cordialidade, abririam caminhos repletos de excelência e delicadeza para o pomposo, maduro e controverso Classicismo, o qual declarava sua afinidade com o individualismo e com a valorização da beleza e elementos tão mais antigos, passando a enxergar …