Pular para o conteúdo principal

Figuração

O amor não é uma conotação
Mas como hipérbole
Exagera-se tanto
Que o próprio amor se contradiz
Um sujeito que antes existia
Se torna transparente
  Somente uma figuração?
De amantes
A personagens
Não mais um bom sentimento?
Mas que não seja só isso
E que o eu esteja errado
Pois quem cai por amor
Sem ninguém ao lado
Há de sentir tanta dor que se verá acuado
O Amor é como uma declaração
Sem tanta renúncia
Pois se existe alegria
Num coração inundado
Que se transbordou
Ele mesmo expõe tão grande emoção que de tanta grandeza
O amor não vem à prestação
E quem pede aprovação quando se declara a alguém?
Que se evitem apenas os erros
Pois do chão, ninguém passa
Mas ainda sim existe a dor
Quem de nós sabe
Como se deve amar?

John ny/ João Neto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DesEncontro de Gêneros

Era uma vez, em um dia qualquer, num passado não tão distante; entretanto, quase esquecido
O Romantismo, ainda jovem, aliado ao Drama e às paixões da Aventura revolucionária ainda bem antes daquele emblemático dia 14, convencia a Ação de que o Terror, em sua fase de formação, participaria de tal distinto encontro, entretendo todos os mais dispostos e favoráveis às causas dos desbravadores oprimidos. É bem verdade que na incompleta capacidade de se expressar, somada à sua tímida experiência com assuntos do gênero, doses da Simpatia e do Afeto também seriam avistados passeando livremente pelo amplo e iluminado salão do baile ao som da grandiosa ópera moderna. Antigos elementos como o Lirismo Amoroso e Trovadoresco, que abririam caminhos repletos de requinte para o pomposo, maduro e controverso Classicismo, o qual declarava sua afinidade com o individualismo e com a valorização da beleza e elementos tão mais antigos, passando a enxergar em si próprio alguém que deveria buscar equilíbrio f…