Pular para o conteúdo principal

O Tempo ( Johnny.)

Ela não quer falar comigo
Por uma escolha sem motivo
E talvez seja analogia
Por que pensar em seu passado
Se seu futuro é meu presente
Não quer viver a fantasia

Se o tempo nos feriu
Talvez fui eu quem decidiu
Por medo e incerteza
Mas teria sido mal
Trilhar um outro caminho
Num mundo cheio de tristeza

E talvez seja fácil amar
Como saber se não tentar
E ter um pouco de esperança
Mas não quero improvisar
Eu não quero mais chorar
Quando só há desconfiança

Então demos tempo ao tempo
Mas não esqueçamos o momento
Em que deixamos o chão
E não tente prolongar
Pois te farei lembrar
Eu já te dei meu coração


Johnny.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encontro entre Gêneros

Encontro entre Gêneros Era uma vez: o Romantismo, ainda jovem, aliado ao Drama e às paixões da Aventura Revolucionária ( um excesso de entusiasmo) ainda bem antes daquele emblemático dia 14, convencia a Ação de que o Medo, ainda em sua fase de formação, participaria de tal distinto encontro, entretendo todos os mais dispostos e favoráveis às causas dos desbravadores oprimidos. É bem verdade que na incompleta capacidade de se expressar, somada à sua tímida experiência com assuntos do gênero, doses da Simpatia e do Afeto também seriam avistados passeando livremente pelo amplo e iluminado salão do baile ao som da grandiosa ópera moderna. Antigos elementos como o Lirismo Amoroso e Trovadoresco, também a princípio com uma pitada de requinte e cordialidade, abririam caminhos repletos de excelência e delicadeza para o pomposo, maduro e controverso Classicismo, o qual declarava sua afinidade com o individualismo e com a valorização da beleza e elementos tão mais antigos, passando a enxergar …